Ir para conteúdo

* * * * * 3 votos

DÚVIDAS FREQUENTES - RODAS e PNEUS


  • Este tópico está fechado Este tópico está fechado
Não há respostas para este tópico

#1 Derek

Derek

    Velha Guarda

  • Velha Guarda

    • ID do Membro: 570
  • 2302 posts
    • Tempo Online: 3h 49m 35s
  • De:São Paulo / Curitiba
  • Cidade:São Paulo
  • UF:SP
  • Carro:Celta VHC 2p
  • Ano/Modelo:2004/2004
  • Postou:1 vez neste tópico
  • Postado 24 novembro 2005 - 21:53

    RODAS:


    CONCEITOS:



    TALA: é a largura da roda. Esssa medida está convencionada em polegadas. Normalmente essa medida vem junto com a media do diametro da roda. Por exemplo: caso vc encontre nas medições da roda a seguinte informação: 15x6", o primeiro valor é do diametro da roda e o segundo valor é a largura da roda em polegadas.
    TALA ACONSELHAVEL PARA O CELTA:  ATÉ 6,5




    OFFSET ( ET ) :  é a diferença entre a metade da largura da roda e a superfície de apoio da roda no veículo. As rodas podem ter: OFFSET POSITIVO (quando a diferença é maior do que zero ). A superfície de apoio é mais interna à roda. Na prática, significa que  quanto maior for o offset, mais para dentro ficará a roda. OFFSET NEGATIVO (quando a diferença é menor do que zero). A superfície de apoio da roda é mais externa.  Significa que quanto menor for o offset, mais para fora ficará roda. As medições de OFFSET estão convencionadas em milímetros.
    OFFSET ACONSELHADO PARA O CELTA: 41 A 49



    OBS 1: É importante lembrar, que é aconselhável q as duas medidas acima citadas sejam levadas em consideração, para se evitar futuros problemas como: pneus raspando no paralama.

    OBS 2: Caso você deseja colocar aros maior que 15", mesmo seguindo as medidas acima, talvez seja necessário realizar modificações nos paralamas, como rebate-los e/ou alarga-los. Segue link com o tópico falando sobre rebater e alargar paralamas:

    http://www.celtaclube.com.br/forum/index.php?showtopic=13233



    AROS:



    Original: A Roda Original de Fábrica do Celta, é uma Roda de Ferro, preta, aro 13. Originalmente vem com pneus na Medida 165/70.


    Aro 14: Para quem quer colocar aro 14, é aconselhável colocar Pneus 185/60.


    Aro 15: A Maioria dos Celtas utilizam esse aro, sempre utilizando as medidas 195/50 ou 195/45. Todas as rodas originais da GM veem com Offset 49 e Tala 6, ou seja, entra perfeitamente no celta sem nenhuma adaptação!


    Aro 16: As melhores rodas aro 16 para o celta são as originais GM, com off-set 49mm e tala 6". Podemos citar como exemplo as rodas do astra gsi e a do astra elite que possuem tmabém o tamanho 16". Caso vc queira colocar outro modelo de aro, é aconselhável que procure por aros com tala até 6,5" e off-set entre 41mm e 49mm. Porém como a maioria já percebeu, a maioria dos aros 16 têm tala 7" e off-set menor ou igual a 40mm, o que pode necessitar que os paralamas sejam rebatidos e/ou alargados . Além disso, é aconselhável que sejam utilizados pneus com a medidas 195/45.


    Aro 17: A maioria dos aros 17 têm tala 7 polegadas ou maior q isso. Para o caso do celta, o mais aconselhável para quem deseja colocar aro 17 é colocar rodas com tala 7". Além disso, é necessário prestar bastante atenção no off-set das rodas. O mais aconselhável, como vimos, é q o off-set seja maior q 40mm, porém poucas são as marcas q tem essa medida de off-set maior q 40mm. Lembrando q estamos falando do off-set para a furação 4x100 (furação do celta). Outra coisa q deve-se levar em consideração para a colocação de aros 17, é a medida do pneu utilizado. O mais indicado é a medida 205/40. Mesmo seguindo todas essas medidas, talvez seja necessário rebater e/ou alargar os paralamas.


    OBSERVAÇÕES GERAIS:


    ***PCD-FURAÇÃO

    PCD é o diâmetro de um círculo imaginário que passa pelo centro de cada um dos furos de fixação da roda.
    Essas especificações são deter- minadas pelos fabricantes dos veí- culos, em função do projeto desen- volvido por sua engenharia.
    Dependendo da procedência do veículos, a medida do diâmetro de furação pode ser expressa em milí- metros ou polegadas.
    Por exemplo:
    Um PCD 5 furos x 4 3/4, corresponde a 5 furos de 120,65 mm.

    As rodas do Fiat Palio tem 4 furos x 98 mm de diâmetro; do corsa E CELTA , 4 furos x 100mm; do ford Ka, 4 furos x 108 mm.


    ***PARAFUSO CORRETO

    O parafuso correto é aquele de aço, de boa qualidade, cromados ou não, adequado ao aloja-mento especificado na roda (cônico ou esférico) e que na prática, assegure seis ou sete voltas do parafuso, no respectivo furo. ATENÇÃO! Se a roda do estepe for de aço estampado,deixe (junto do estepe) os parafusos (originais- mais curtos) necessários à afixação no veículo, de modo que, ao substituir a roda de liga leve pelo estepe de aço estampado, não prejudique a fixação do estepe, ou os componentes do freio do veículo.


    ***ANEL CENTRALIZADOR

    A maioria dos veículos ( automóveis de passeio) tem um encaixe de cubo, que assegura a centralização da roda. O diâmetro desse encaixe varia de fabricante para fabricante e, muitas vezes de modelo para modelo de veículo. Apesar dessa variação ser muito pequena, milímetro ou décimos de milímetro, ao se instalar uma roda, cujo cubo não encaixa perfeitamente,há grandes chances de não se conseguir um bom balanceamento do conjunto roda/ pneu. Por exemplo: As furações de um Celta (GM) e de um Gol (VW) são coincidentes (4 x 100mm) no entanto, os encaixes dos cubos são diferentes. O do Celta tem 56,6mm e o do Gol, 57,1mm. Assim sendo, uma roda específica para o Celta não serviria num Gol, no entanto, uma roda Gol poderia ser instalada num Celta, mas o balanceamento do conjunto estaria prejudicado, por uma pequena folga de 0,5mm. Os ANÉIS CENTRALIZADORES permitem a utilização de um mesmo modelo de roda, em vários modelos e marcas de veículos, cujo PCD (nº de furos e diâmetro) sejam exatamente iguais.





    PNEUS:



    EXPLICAÇÃO SOBRE PERFIL / LARGURA DO PNEU:
        Como a maioria já viu, nas laterais dos pneus temos gravados essas medidas. Por exemplo: se em um pneu tivermos a seguinte medidas: 195/50/R15, a primeira medida indica a largura do pneu em milímetros, logo esse pneu teria 195mm de largura; a segunda medida indica a altura do pneu (melhor dizendo, perfil), e ela representa a porcentagem que o perfil é em relação a largura, ou seja, no exemplo, dado temos que o perfl (altura) é 50% da largura, logo 195mm x 50% = 97,5mm. Portanto o perfil/altura desse pneu é 97,5mm; a terceira medida indica o diamentro do aro para qual esse pne será usado, nesse caso esse pneu é para um aro 15".


    O QUE FAZER COM AS BOLHAS ??
        Normalmente, as bolhas são causadas porque a carcaça do pneu sofreu uma quebra e o ar dentro do pneu vazou para a camada de borracha. Quando isso acontece, muitas pessoas recorrem para um processo chamado de vulcanização, que retira o excesso de borracha e tenta diminuir o vazamento do ar. Como vimos anteriormente, o que aconteceu para o surgimento da bolha foi uma quebra da carcaça, q é a parte resistente do pneu, constituída de lona(s) de poliéster, nylon ou aço. Mesmo o pneu afetado passando pelo processo de vulcanização, não será possível consertar a carcaça do pneu, apenas será possivel diminuir a bolha do pneu de forma a permitir q ele ainda seja utlizado por algum tempo. O mais aconselhável é trocar o pneu com defeito, por um pneu novo.


    OBSERVAÇÕES GERAIS:

    Pressão
         O pneu com baixa pressão de 30% leva a uma perda média de 50% na sua vida útil. Com um excesso de 30%, perde-se 15%. A pior condição, e a que mais ocorre, é a de falta de pressão. Entre ainda outras implicações, ela causa também aumento de consumo de combustível e, aliado à alta velocidade, pode levar à desagregação de rodagem. Por isto, deve-se verificar a pressão constantemente, com o pneu frio. Quando quente, o pneu aumenta sua pressão, o que já é previsto na recomendação de pressão a frio.

    Limite de segurança
         O limite de segurança de um pneu é 1,6 mm de profundidade dos sulcos. Existem ressaltos no fundo dos sulcos que indicam quando o pneu atinge este limite, abaixo do qual o pneu não dá drenagem adequada de água e proporciona elevados riscos.

    Balanceamento
         O desbalanceamento, além do desconforto que traz no volante, causa desgaste irregular e prematuro dos pneus, perda de tração, perda de estabilidade e desgaste mais acelerado dos terminais. Balancear todos os pneus, e não só os do eixo dianteiro.

    Efeitos mecânicos
         Para um bom rendimento dos pneus, deve-se manter o veículo sempre em boas condições de geometria de direção (alinhamento). Os desvios de geometria mais freqüentes, e que causam maior desgaste nos pneus, são camber e a convergência. Irregularidade nos amortecedores, freios e rolamentos também influem no desgaste dos pneus.


    EXPLICAÇÃO TÉCNICA SOBRE PNEUS:

    - Estrutura
    Pode ser de: Carcaça radial ou diagonal.

    Carcaça Radial
    Um pneu de constituição radial possui uma carcaça formada por uma ou mais lonas cujos cordonéis estão dispostos de forma paralela e no sentido radial, sendo estabilizada pelas cinturas sob a banda de rodagem.

    Carcaça diagonal
    Um pneu de constituição diagonal, também chamado de convencional, possui uma carcaça formada por lonas têxteis cruzadas uma em relação à outra.


    - Terminologia
    Você talvez já tenha ouvido vários nomes como: talões, carcaça, banda de rodagem, etc., nos pneus. Veremos agora o que significa cada um desses nomes.

    Estrutura de um pneu


    Banda de rodagem: É a parte do pneu que entra diretamente em contato com o solo. Formada por um composto especial de borracha que oferece grande resistência ao desgaste. Seus desenhos constituídos por partes cheias (biscoitos) e vazias (sulcos), oferecem desempenho e segurança ao veículo.


    - Marcações
    Num pneu existem diversas marcações que é bom conhecermos.


    1)     Nome do Fabricante.
    1A) Logotipo do Fabricante.
    2) Modelo do Pneu.
    3) Características de dimensões e construção.
    4) Código de velocidade e índice de carga.
    5) Pneu com câmara (TUBE TYPE) e sem câmara (TUBELESS).
    6) Posições dos indicadores de desgaste TWI (Tread Wear Indicators): quando atingidos, indicam o momento de troca do pneu em uso (1,6mm de resíduo de Banda de Rodagem).
    7) Códigos internos para controle de fabricação.
    8) Local de fabricação.
    9) Inscrição D.O.T.: Exigência e exportação. Indica estabelecimento de produção, tipo do pneu e período de fabricação.
    10) Dados referentes à estrutura do pneu: exigência de exportação.
    11) Carga e pressão máximas : exigência de exportação.
    12) Registro de homologação: exigência de exportação.
    13) Classificação do pneu junto à UTQG (Uniform Tyre Quality Grading): exigência de exportação.
    14) Significa "Mud and Snow" (Lama e Neve): exigência e exportação

    - Características de dimensões e construções
    Provavelmente você já deve ter visto nos pneus uma série de números e letras (item 3 da página anterior). Esse é um código alfanumérico que mostra as características e dimensões do pneu. Veja um exemplo:

    Pneu: P 190 / 60 R 14

    P : Significa que o pneu é para veículo de passeio
    190 : Largura nominal da secção em milímetros
    60 : Relação entre a largura e a altura da secção
    R : Indica que a carcaça é de construção radial
    14 : Indica o diâmetro nominal do aro em polegadas

    - Código de velocidade e índice de carga
    Além das informações sobre tamanho, um pneu pode ser identificado por uma inscrição contendo um Índice de Carga (ou dois, dependendo se o pneu for de montagem simples ou dupla) e um Código de Velocidade.

    Código de velocidade
    Indica a velocidade máxima em que o pneu pode rodar com uma carga
    correspondente ao seu índice de carga sem alterar suas características sob condições especificadas pelo fabricante.

    Categorias de velocidade
    Indica a capacidade de velocidade dos pneus:de 210 km/h a 240 km/h  para pneus V/R e acima de 240 km/h para pneus Z/R e são incluídos na descrição do pneu.

    Exemplo: 215/50 ZR 15

    Geralmente a descrição composta do Índice de Carga e Código de Velocidade não é utilizada nestes pneus. Para as capacidades reais de carga e velocidade, consulte o fabricante.

    Índice de carga
    O Índice de Carga é um valor numérico associado ao máximo de carga que um pneu pode suportar a uma velocidade indicada pelo código de velocidade sob condições de emprego determinadas pelo fabricante.

    - Capacidades de carga e limites de velocidade
    A capacidade de carga mencionada no Manual do Proprietário é a capacidade máxima permitida "por pneu" para velocidades "até, e inclusive, 210 km/h".

    Para velocidades acima de 210 km/h, a capacidade máxima de carga não deve exceder as seguintes porcentagens das capacidades de carga da tabela, dependendo do tipo de pneu e da capacidade de velocidade do veículo.

    Para pneus ZR, as capacidades de velocidade e de carga reais, e a pressão de enchimento dos pneus será acordada entre os fabricantes do veículo e dos pneus (de acordo com suas associações nacionais) levando-se em consideração as características do veículo e o tipo de emprego.

    Na ausência de tal acordo, é recomendado que, para velocidades entre 240km/h e 270km/h, as capacidades de carga e as respectivas pressões dos pneus ZR sejam as mesmas dos pneus com código "W".

    Pneu com e sem câmara
    A diferença básica está dentro do pneu. Os pneus sem câmara possuem no interior uma camada de borracha especial, denominada "liner",que garante a retenção do ar. Devem ser montados em aros apropriados,utilizando válvulas especiais.

    Pneu com câmara


    Pneu sem câmara


    Vantagens dos pneus sem câmara


    - Conceito "+1 / +2"
    É possível realizar conversões de medidas nos pneus uma vez que o diâmetro externo seja mantido ou sofra uma variação de até -3% ou +2%.

    O conceito "+1 / +2" evidencia esta conversão de medidas entre aros com caletamento diferente (com +1 ou +2 polegadas). Desta forma, através do aumento do diâmetro do aro e da conseqüente redução da altura da secção, o consumidor obterá uma melhora significativa da performance dos pneus.


    - Os 10 Mandamentos para Manutenção Preventiva

    1. A pressão dos pneus (incluindo o estepe) deve ser periodicamente checada quando eles estão frios. Nunca esvazie ou reduza a pressão dos pneus enquanto eles estiverem quentes devido à utilização, pois a pressão normalmente sobe acima dos níveis recomendados devido ao aquecimento.

    2. Os pneus devem ser trocados sempre que a banda de rodagem for gasta até as marcas TWI, mesmo que em apenas um ponto da banda.

    3. Verificar o estado geral dos pneus periodicamente e/ou após impactos ou desgaste irregular.

    4. Balancear os pneus regularmente, ou sempre que forem sentidas vibrações.

    5. Quando ocorrerem impactos ou perfurações, verifique também o interior dos pneus.

    6. Nunca estacione sobre manchas de óleo ou solvente, pois elas causarão dano aos pneus.

    7. Obedeça os limites de velocidade e carga.

    8. Sempre que for trocar os pneus, respeite a equivalência de medidas mantendo a mesma medida nas 4 rodas.

    9. Estilo de direção e velocidade afetam diretamente a vida útil dos pneus.

    10. Verifique as condições dos pneus periodicamente através de um revendedor ou um técnico qualificado.

    Observação: Esta matéria foi montada baseada nas informações da Pirelli.
    XILDERICO



    Similar Topics Collapse

      Tópico Fórum Criado por Estatísticas Última Postagem


    2 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

    0 membros, 2 visitantes, 0 membros anônimos


    Este tópico já foi visualizado por 559 usuário(s)